Cine & Cia

Qualquer hora do dia é boa para comer tortas

single image

pulp fiction

Sabor, Cine & Cia – Pulp Fiction – Tempo de Violência

Por Paulo Bracarense

Marsellus Wallace é um poderoso gângster negro de Las Vegas casado com Mia Wallace. Ele representado magistralmente por Ving Rhames e ela representada por uma exuberante Uma Thurman. Mas a força do elenco continua com John Travolta e Samuel Lee Jackson representando Vincent Vega e Jules Winnfield dois assassinos profissionais que trabalham para Marsellus e que são completamente fora da caixa.

Os dois são aficionados por hambúrgueres. Para Jules esses sanduiches são “a base de qualquer desjejum nutritivo” enquanto saboreia um Big Kahuna, cuja rede ele considera o “antro dos hambúrgueres havaianos”. Já Vincent que acaba de chegar de três anos de Amsterdam é um especialista nos McDonald’s, Wendy’s, Jack in the Box e Burger King. Ele compara pequenas diferenças entre o modo europeu e o norte-americano de se alimentar. Em Paris o McDonald’s vende cerveja e o “quarteirão” é chamado de “royale com queijo” e o”big mac” é o “le big mac”. Ele se diverte muito com o hábito dos holandeses de passarem a batata frita na maionese e não no ketchup.

Outro figurão do filme é Bruce Willis no papel do boxeador meio decadente Butch Coolidge. Ele deve perder uma luta no quinto assalto a mando de Marsellus em um esquema poderoso de burlar apostas. Mas como em todo o filme, surpresas vão acontecer. Tudo que Butch tem na vida é um relógio de família que frequentou várias guerras e é entregue a ele, ainda quando criança, por um companheiro de guerra de seu pai o Capitão Koons, representado por Christopher Walken, mais uma grande estrela de Hollywood.

Butch planeja fugir com sua namorada que adora doces. Ela pretende pedir para o café da manhã um prato de panquecas de amoras com xarope de boldo, ovos fritos e cinco linguiças. Para beber um copo grande de suco de laranja e uma xícara de café preto. E é claro uma torta de amoras com uma fina fatia de queijo derretido porque afinal para ela “qualquer hora do dia é boa para comer tortas”.

Já no início o filme esclarece o que vai ser ao definir “pulp”. “Pulp” é a palavra usada em inglês para definir uma revista ou livro sensacionalista que é geralmente publicado e impresso em material de segunda classe. Ele poderia ser considerado um filme “B” ou “trash” não fosse a genialidade de seu diretor Quentin Tarantino, que faz uma pontinha no filme como Jimmie, um apreciador de café gourmet que ajudará Vincent e Jules em uma das várias confusões em que se metem. Aqui com a ajuda do também ilustre Harvey Keitel, outro figurão de Hollywood no papel de Winston Lobo, “o faxineiro” que Marsellus manda para limpar uma maçada da dupla protagonista.

A maior parte dos locais onde foram realizadas as cenas do filme era real, mas não existem mais, como a lanchonete Hawthorne Grill onde ocorre a cena do assalto que abre e fecha o filme. O casal Pumpkin e Honey Bunny representados por Tim Roth e Amanda Plummer são ilários. A trama ocorre em dois dias diferentes, mas as cenas não seguem uma ordem cronológica. Possivelmente por isso a marcação de horas é uma constante no filme, com muitos relógios nas tomadas. O filme é de 1994 e foi muito premiado tendo recebido o prêmio de melhor filme do Festival de Cannes, mas de lá para cá Los Angeles mudou bastante.

No entanto nem todos os locais existiram de fato. Como é o caso do “Jack Rabbit Slim’s American Restaurant” onde Vincent pede um “Douglas Sirk Steak” e Mia Wallace um “Hamburger Durward Kirby”, ambos mal passados (“bloody is hell”). São pratos tradicionais da culinária americana. O restaurante representou uma homenagem aos velhos tempos, as mesas de centro em torno de uma pista de dança são conversíveis antigos e os garçons são covers de ídolos americanos como James Dean, Marilyn Monroe e Mamie Van Doren. Vincent vai cuidar da esposa do chefe a pedido dele e ela o obriga a participar de um concurso de dança. A cena de Travolta em um twist com Uma Thurman no “Jack Rabbit Slim’s”, ambos drogados, é impagável, vale cada movimento.

Você pode gostar